Com o tempo, conseguimos fazer esse ‘scan’ nas peças, cada vez mais rápido. A maior vantagem é a economia que a gente alcança na hora de comprar alguma coisa ou na hora de selecionar o que vestir.

Quantas vezes vemos um editorial em revistas de moda ou acompanhamos as imagens dos desfiles mais descolados da temporada e nos sentimos inseguras para consumir alguma coisa dali? Você sabia que a moda também recebe leitura e que, ler um look pode ser um super aliado no consumo consciente e mais assertivo, dentro do seu propósito para uma festa, uma reunião ou um encontro?

Tenho postado mais ideias de coordenação de looks para vocês aqui e nas redes (@sitedacris no IG e no FB) porque o retorno de vocês sobre consciência de consumo é bom demais! É muita gente pedindo ideia de como economizar na hora de se vestir, interessada em aprender mais sobre as cores individuais e isto, além de sinalizar nossa maturidade melhorada para consumir de forma mais inteligente e evitar desperdício de dinheiro, nos livra das ciladas de ‘promoções’ e tem TUDO a ver com a nossa essência, aqui no site (minha e a de meus leitores).

Como ontem levei pro Instagram ideias de looks em tons neutros, trouxe um dos exemplos para cá, assim, fica mais prático o nosso exercício de leitura de um look.

O QUE É A LEITURA DO LOOK

É a identificação praticamente imediata que seu cérebro faz, a partir da observação das peças que ele capta.

Ao ‘ler’ a informação de moda presente na peça, você fica quase que imune às pegadinhas momentâneas de tendências, assim como sente muito mais segurança para escolher as peças que usa o que, via de regra, te dá mais liberdade para novas coordenações com as mesmas peças. E bye bye para a velha e conhecida frase, ao abrir as portas do seu armário “MAS EU NÃO TENHO NADA PRA VESTIR!!!”. #quemnunca, não é mesmo?

TEM ESSA DE COR ESTAR EM ALTA?

Tem, sim. A moda tem altos e baixos para eleger cores como queridinhas, a gente já sabe. Para dar uma turbinada nessa característica do setor têxtil, a Pantone – empresa que é autoridade mundial em ciência e tecnologia da cor – elege, anualmente, a cor do ano. Eles fazem uma pesquisa super aprofundada, analisam as previsões de tendência e os resultados são altamente embasados em estudos.

Além da cor assinala pela Pantone, existe a moda da rua, existe esta tremenda rede de internet que nos conecta com o Japão, ou qualquer outro lugar do planeta, em apenas 1 clique.

Tudo isso interligado traz riqueza e muita mistura de culturas.

USANDO O CÍRCULO CROMÁTICO COMO MELHOR AMIGO

Já fizemos post aqui no CrisCard sobre círculo cromático e, por ele, entende-se bem que uma cor se desmembra em outras, representantes dos matizes dela.

 

Imagem: Casa e Jardim

Com isso, UM bege ganha várias possibilidades, desde o tom mais claro dele ao mais escuro. E é por aí que a sacada de coordenação começa e a brincadeira fica mais interessante, para entendermos como podemos LER UMA PEÇA e com ela criar variações de looks, no nosso armário.

Olha só o post no insta (para me seguir por lá, é o @sitedacris) que inspirou este aqui do blog:

Look da Haes Brasil, no meu perfil do Insta

COMO LER UMA PEÇA

Olhando o look da Haes Brasil acima, temos 3 peças compondo este look. Podemos dividir nosso exercício em duas partes, para facilitar: a parte superior (blusa sobreposta à camisa) e a parte inferior, a calça camelo.

Para ler uma peça a gente precisa apenas de vontade e todo mundo consegue fazer.  Bora?

Observe quantos elementos a calça tem. Quantos você vê?

Vamos lá: de primeira, enxergamos os ilhoses, a amarração, os bolsos laterais, o comprimento da calça e a proporção dela.

Esta calça tem 5 informações claras e bem diferentes que, se você não entende de moda, consegue ver como “características”. Se entende, já sabe que trata-se de uma peça com referências diferentes, simultâneas e que se conversam totalmente:

Ilhós – É um aviamento em formato esférico, normalmente de metal, formado por duas peças que se encaixam. A função principal dele é servir de arremate para reforçar o furo, por onde passam os fios, como o cadarço da calça acima, por exemplo. É uma referência trazida do estilo rock´n roll e tem migrado muito para o street style. Outro exemplo:

Bolso lateral – A referência vem do sportwear, das bermudas dos skatistas que, por praticidade, tem bolsos em locais que incomodam menos os movimentos ao mesmo tempo que protegem o que está ali dentro.

Comprimento – O modelo pantacourt teria tudo para ser uma tendência passageira, não tivesse caído no gosto geral da mulherada brasileira que se adaptou à forma, ao conforto e à sofisticação que a calça proporciona. Pantacourt pode ser usada com ou sem salto, pode ir do look mais casual ou mais sofisticado e, neste caso, casou perfeito com todos os outros elementos.

Cadarço de tecido – Outra sacada para remeter a peça à mood desportiva e urbana ao mesmo tempo. Quando a gente usa o cadarço na peça no mesmo tecido, a gente fica com a referencia boho mais chique.

A cor camelo – Desde 2015, a moda brasileira adotou esta tonalidade da cartela terrosa. E, olha, ela realmente permite coordenações muito bacanas!

Agora que a leitura está feita, o próximo passo é coordenar com as demais peças que vão compor o look. Isto varia de acordo com a sua proposta

QUAL É A IDEIA PARA ESTE LOOK?

O que quero transmitir com esta peça?
Quer um look update, moderno para transmitir esta imagem?
Quero um look mais clássico para determinada situação?

Em função da intenção, você vai identificar imediatamente os elementos da peça e, com eles, escolher se ela está no seu perfil de proposta, ou não.

Podemos, por exemplo, montar o look totalmente contemporâneo, como a Haes fez ou mesclar peças com outras e, assim, alteramos a expressão visual do todo, do bloco de imagem que transmitimos.

Se pensamos em uma mood mais clássica, por exemplo, concluímos que talvez a melhor escolha seja uma outra peça que não a que remete modernidade e, assim, por diante.

Percebem o exercício?

É importante salientarmos que acessórios como brincos, colares, bolsa, sapatos também auxiliam muito a firmar o resultado final, a equilibrar a leitura do nosso look.

Com o tempo, você vai conseguir fazer esse ‘scan’ nas suas peças cada vez mais rápido. A maior vantagem é a economia que a gente aprende a fazer na hora de comprar alguma coisa.

Nosso cérebro busca as referências em imagens, a partir do que já temos, identifica as roupas ‘gêmeas ou primas’ e evita que a gente chegue em casa com mais uma camiseta branca já contando com várias outras, quase iguais, no armário.

Exemplo prático:

Meu look de ontem: calça de veludo (Hering), blusa de lãzinha (acervo super antiga) e casacão de tricô (Marisa).

Look informal, que poderia ser usado com um tênis para uma proposta mais básica ou bota de salto mais grosso. O cliente no qual atendo como consultora de comunicação é uma start up e todos vão de jeans e tênis. Esta calça que eu usei tem um agasalho de conjunto, mas usar tudo combinandinho já seria outra proposta.

Curtiu o exercício? Agora, que tal aproveitar alguns minutos do seu dia e ler o que já está aí no armário? Se ficar com dúvida, é só mandar pra cá!

Para ler sobre o círculo cromático, clique aqui

Para se inscrever no meu canal, clique aqui

Créditos: Imagens: Ilhós – Talento Moda  | Look Haes – IG Haes Brasil 

Advanced Style: aos 60 anos, cheios de estilo
Como escolho o melhor lenço para a roupa usando o círculo cromático

Comentários

comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here