Na minha timeline do Facebook, ontem, bati o olho num post da jornalista Mariliz Pereira Jorge. Era uma info do Portal Comunique-se com uma notícia triste para o setor editorial: a Estilo, publicação da Condé Nast, depois de 15 anos, teria 2 últimas publicações. Depois? Adios.

Senti o aperto no peito de imaginar outros tantos colegas sem trabalho, mas, lendo o que a Mari colocou tão bem, só pude concordar:

Vou falar uma coisa que muita gente não vai gostar.

O fim de mais uma revista feminina e as pessoas que dirigem revistas femininas não entenderam ainda o problema, além da ladainha de que o mercado isso, o mercado aquilo.

Ninguém sabe quem faz essas revistas. Jornalistas de revistas femininas se acostumaram a chegar com suas bolsas de grife nas redações, frequentar eventos e viver suas vidas, sem se expor. Não é o que o leitor quer.

O leitor quer saber quem são essas pessoas e só assim consumir o que produzem. Querem conexão com a pessoa que escreve. Querem saber se aquela informação por trás da página traz verdade. Caso contrário vão procurar essa conexão onde podem encontra-la. Em blogs, vlogs, fanpages, Instagram. Por isso musas fitness fazem sucesso, mesmo sem ter conteúdo de qualidade.

Não adianta escrever textão na teoria, se por trás do textão da revista a pessoa não é aquilo de verdade. Não cola mais. E as pessoas que fazem revista, a maioria, não entenderam isso ainda. As revistas que vão bem, pode reparar, são as que levaram para suas redações gente que escreve o que vivencia, se expõe nas redes sociais, oferece ao leitor o pacotão todo da experiência de se informar e se entreter. Que não entendeu isso, vai dançar. É duro, gente, mas é isso aí. E da-lhe fechar revista. Qual será a próxima?

Hoje, abri o Chata de Galocha e tinha uma matéria da redação do blog sobre a Elaine Welteroth, editora chefe da Teen Vogue.

Meu olho brilhou, minha mente fez aquele bate-volta no post da Mari e voltou pro do CG: sim, é exatamente isso. O mundo está no gerúndio permanente do verbo mudar e quem não se adaptar a isso, vai rodar geral.

O site da Teen Vogue, desde que Elaine e seu squad assumiram (há 5 anos), cresceu em mais de SEIS MILHÕES de visitas únicas.

Elaine, 30, quebrou tabus na publicação. Pasmem (ou não), mas ela foi a primeira negra a ocupar o cargo de beleza antes de assumir a revista e é, na história do grupo Editorial Condé Nast inteiro, a segunda mulher negra a ocupar o cargo de editora chefe.

O trabalho dela passa longe do supérfluo. Com um público-alvo de adolescentes e jovens, ela fala de tudo que a geração curte. Fala de empoderamento, política e, claramente, prepara essa galera toda para uma próxima geração da publicação, consumindo moda atrelada a outros segmentos antenados e zero alineados para o mundo em volta, com temas de identidade de gênero e inclusão.

A missão dela ao assumir a revista está com um checklist muito positivo.

Outro detalhe: basta uma olhadela nas redes sociais de Elaine para constatarmos que a presença dela é forte, ela sabe onde seu público está e como falar com ele. Expõe a vida pessoal com a pitada exata do profissional, mas, não aparece mais do que a publicação.

Elaine Welteroth com Bethann Hardison no NYFW HQ, falando sobre diversidade

E aí, volto ao texto da Mariliz: se revistas on ou offline insistirem na teimosia de seguir a mesma receita de bolo de 15 anos atrás, estarão fadadas ao desfecho infeliz.

 

O desfile de apresentação da collab Paula Raia e Riachuelo
Como usar: 4 dicas de look com animal print

Comentários

comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.